Início Delegacia Geral ASCOM

Delegacia da Mulher registra menos procedimentos em 2014 do que ano passado

E-mail Imprimir PDF

20141229 9A Delegacia Especializada de Crimes Contra a Mulher (Deccm) fecha o ano de 2014 com registros de 93 casos de estupros até novembro, número inferior a 2013, quando foram 109 mulheres vitimadas por este tipo de violência.

Segundo a delegada Andressa Monteiro na maioria dos casos o acusado é sempre parente, vizinho ou pessoa muito próximo da vítima, porém casos em que os agressores são desconhecidos começam a crescer em Macapá.

“Entre as ocorrências atendidas pela Deccm está o caso de um homem que identificamos e prendemos que portava fita adesiva e corda para a prática de atos libidinosos, além de situações cujo agressor se apresenta como mototaxistas clandestinos” enfatiza a delegada.

Segundo ela apenas este ano a especializada abriu procedimentos para investigar sete casos de estupros com envolvimento de mototaxistas clandestinos. O caso mais recente ocorreu em agosto, quando uma mulher passou quase 15 horas nas mãos de dois homens em um local na Rodovia Norte/Sul. Os dois se passavam como trabalhadores de transporte de passageiros em motos.

Até o mês passado instaurados 566 inquéritos para apurar diversos casos de agressão contra mulher, sendo 2 casos de homicídios, 34 tentativas de mortes e 2 consumados.

No geral aproximadamente oito mil registros foram lavrados na especializada este ano contra 9.505 do ano passado. De acordo com a delegada os crimes que encabeçam esta demanda estão relacionados a lesão corporal e violência domestica.

 

Notícias em destaques

Na última quarta-feira (13), policiais civis participaram de um torneio de tiro no stand da Academia Integrada de Formação. Foram 71 competidores, entre agentes, oficiais e delegados, na disputa para saber quais têm maior habilidade no tiro de precisão com pistola .40.

Os competidores foram divididos conforme função e gênero.

Leia mais...

Enquete

Qual o curso que você, policial, entende ser nescessário para aprimoramento profissional?